Friday, January 02, 2009

A Viagem do Elefante #2

«(...) pois o rei de portugal afirmava, numa passagem estratégica da carta, que em todo o seu reino não possuía nada de mais valioso que o elefante salomão, quer pelo sentimento unitário da criação divina que liga e aparenta todas as espécies umas às outras, há mesmo quem diga que o homem foi feito com as sobras do elefante, quer pelos valores simbólico, intrínseco e mundano do animal

«Salomão, que assim continuará a chamar-se enquanto aqui estiver, não imagina as perturbações que tem originado entre nós a partir do dia em que decidi dá-lo ao arquiduque, creio que, no fundo, ninguém quer que ele se vá, estranho caso, não é gato que se roce nas nossas pernas, não é cão que nos olhe como se fôssemos o seu criador, e, no entanto, aqui estamos aflitos, quase em desespero, como se algo nos estivesse a ser arrancado (...)».

«Creio que nunca entenderei os elefantes, Saiba vossa senhoria que eu vivo com eles quase desde que nasci e ainda não consegui entendê-los, E isso porquê, Talvez porque o elefante seja muito mais que um elefante».


Capa tão fofa.
.

3 comments:

TelmaRRocha said...

Leio estas coisas a medo porque é um livro que eu acabarei por ler mais cedo ou mais tarde e depois quero o factor surpresa :P


Feliz Ano Novo e as melhoras! ;)

Beijo*

Nia said...

Ah são só considerações elefantais ;)

Anita said...

Vai ser o próximo a ler:)